top of page

Falsa Loura (2007)

Um conto de fadas brasileiro carregado do nosso próprio estilo de cinema.

Falsa Loura

Silmara é operária no chão de fábrica, uma fábrica onde só vemos mulheres trabalhando. Explorada pelo sistema e vivendo na periferia, a mulher se destaca entre suas colegas, demonstra força e liderança, muitas vezes é ríspida com as outras mulheres, mas por trás disso está uma mulher que sonha, fantasia e vive pelo pai. Esse pai, um homem com passado criminoso, é uma figura importante na vida da protagonista e ela sempre cuida e acredita nele, mostrando seu lado mais frágil.


Desde o começo vemos como Silmara é julgada pelas colegas como alguém que acabará na prostituição, coisa que a tira do sério sempre que é citado, ela se sente profundamente ofendida e sempre destaca o quanto trabalha duro para sustentar ela e o pai. Outros personagens também mostram como ela é objetificada, muitos homens sempre a tocando, cantando na rua ou dizendo o quanto ela é bonita, não de uma forma gentil.

Como uma história da Cinderela, Silmara chama atenção de seu ídolo no show e vive uma paixão breve. Enquanto espera o cantor ela sonha acordada. Carregado de uma cafonice bem brasileira, o sonho de Silmara tem música romântica, karaokê e muito romance, mostrando que apesar das aparências que tenta mostrar ela no fundo deseja encontrar o amor.


Essa paixão breve se mostra uma cilada, o cantor zomba de seu bairro, seu pai e desvaloriza seu trabalho. Na praia o casal lembra o sonho de Silmara, talvez ela estivesse realmente comprando essa ilusão, mas tudo é quebrado quando ela precisa retornar para casa e o “príncipe” a trata como garota de programa, jogando o dinheiro para que ela fique com ele. Na frente das colegas ela não conta como o cantor era na verdade um boy lixo que a tratou mal e descartou, espalhando a lenda que mantém as outras operárias sonhando.

De volta à realidade, Silmara recebe um convite que fica bem claro para nós, mas que ela parece não compreender totalmente. Ela entra em outro conto de fadas mas agora as coisas são diferentes. A operária se encontra com seu outro ídolo da música e ele a trata muito bem, o clima é de sonho mesmo, o homem dos sonhos dela, num lugar lindo, diferente do outro cantor que a tratava de forma rude, em hotéis e ônibus com a banda toda e drogas espalhadas nas mesas. Na cena entre os dois no quarto, a luz da lua brilha nas peles ainda nessa atmosfera de devaneio. Com esse romantismo brega nossa Cinderela se entrega totalmente a essa nova ilusão e até atende os pedidos de seu príncipe indo até o quarto do filho do cantor.


No dia seguinte o encantamento acaba, Silmara recebe os presentes e seu pagamento pelo motorista e vemos a ilusão se quebrando em seu rosto, a realidade bate com tudo.Andando até o trabalho, a operária cheia de sonhos carrega os baques de uma mulher que se sente usada, que nasceu para ser explorada, mas que segue em frente sendo forte porque a vida continua e o sinal da fábrica já está tocando.


autor

Comments


bottom of page